top of page
  • Foto do escritorElaine Colombo

Lina Bo Bardi: a primeira arquiteta brasileira premiada com o Leão de Ouro

No dia da Mulher, o Conselho de Administração da Biennale di Venezia aprovou a premiação póstuma pelo conjunto de obra e trajetória de Lina Bo Bardi



Foto: Divulgação

A arquiteta italiana naturalizada brasileira receberá – in memoriam – o Leão de Ouro Especial pela trajetória e conjunto de sua obra durante a 17ª Mostra Internacional de Arquitetura de La Biennale di Venezia. “Sua carreira como designer, editora, curadora e ativista nos lembra o papel do arquiteto como construtor de visões coletivas. Ela também exemplifica a perseverança da arquiteta em tempos difíceis, sejam guerras, conflitos políticos ou imigração, e sua capacidade de permanecer criativa, generosa e otimista o tempo todo”, explica Hashim Sarkis, arquiteto e curador da bienal italiana.


Waldick Jatobá, Diretor Executivo do Instituto Bardi, ressalta que o reconhecimento irá fortalecer o trabalho que vem sendo feito desde 1990, principalmente por ser a primeira mulher brasileira, a primeira no mundo com obra construída, e também a terceira brasileira a conquistar um Leão de Ouro – Oscar Niemeyer e Paulo Mendes da Rocha receberam as indicações em 1996 e 2016, respectivamente. “A nomeação será um divisor de águas não somente para a difusão nacional e internacional de todo um trabalho de vida, mas como também para a arquitetura brasileira em geral”, defende Jatobá, reforçando a tese de Sarkis de que o Leão de Ouro especial pelo conjunto de obra e trajetória de Lina é um reconhecimento há muito tempo postergado por uma carreira ilustre.


Esta edição da Biennale Architettura será apresentada em abril em formato digital e transmitida ao vivo no site da La Biennale e nas redes sociais, com abertura ao público prevista para 22 de maio de 2021.


Reprodução: Casa Vogue

Commentaires


bottom of page